sexta-feira, novembro 28, 2008

Arthur Rhames e o colapso da arte

Antes que chegue o mês da redenção, mesmo que seja efêmero, mesmo que seja sobre compras, perús assados e frutas secas, mesmo que seja um mero protocólo social festivo desprovido de sua essência verdadeira, aproveitemos o momento.
Ontem me peguei ouvindo o disco do Arthur Rhames, que meu amigo Sieiro me apresentou ao longo deste ano. Entre tantas injustiças na arte, a que ocorreu com Rhames sem dúvida foi uma das mais tristes e cruéis. Morreu aos 32 anos de idade vítima da AIDS em 1989 esquecido e não reconhecido. Praticava saxofone, piano e guitarra 6 horas cada instrumento por dia, totalizando 18 horas de estudo diárias. Um talento único, precioso, como disseram, a ligação perdida entre John Coltrane e Charles Gayle. Reggie Workman disse que Deus escolheu Rhames para ser seu mensageiro.
Desde os tempos antigos a história se repete, o ser humano é o mesmo, não importa se hoje ele está na era digital. A civilização segue em passos apressados sem garantia de estar na melhor direção e não há tempo e espaço para pessoas como Arthur Rhames.
No aspecto geral a arte atual é o que é porque o artísta, o ser humano que está por trás dela(se bem que muitos artístas querem estar à frente dela por vaidade) se tornou o que é.
A estética se apropriou de um espaço indevido na prioridade, o conceito se adaptou a essa invasão de território da estética, a essência perdeu sua autonomia.
Boa parte das pessoas nega que isso esteja acontecendo, mas quem tem olhos, veja, quem tem ouvidos, ouça.
Já dizia a banda punk inglesa Discharge nos anos 80:
"Hear Nothing See Nothing Say Nothing"

Ouça Arthur Rhames aqui

2 comentários:

Marcus disse...

Oi td bem?Meu nome e Patricia,sou amiga do Marcus,e estou fazende um trbalho da fcauldade sobre cultura japonesa e o Marcus me falou de vc,que sabe muito sobre animes e mangás,porv favor vc pode me dar uma rapida entrevista sobre o que vc sabe?Obrigada^^

Marcus disse...

Se der me add no msn : anjinha_pat@hotmail.com

Obrigada^^

 
 
Studio Ghibli Brasil