sexta-feira, fevereiro 10, 2006

A Grande Farsa do Hardcore

Uma coisa me chamou a atenção estes dias, um anúncio do show do Millencollin(banda genérica) que dizia: " O melhor do Hardcore" no Credicard Hall, ao lado do anúncio de bandas como Foreigner... Hahahahaha,nunca ví nada igual lá no praneta Lamma(Daminhão Experiença) E o Misfits que cancelou sua apresentação por ficarem com medo de febre amarela... Olha a febre ai gente!!! Qua qua qua!!! Um bruta montes de quase 2 metros de altura com medinho. Febre amarela em São Paulo... onde é o foco, Via Funchal? Hangar? O hardcore foi uma das maiores decepções pra mim, que participei ativamente. Caí fora do esquema Heavy Metal headbanger porquê era cheio de regrinhas, tinha que ter visual, não podia curtir um Alceu Valença e etc. Mas no hardcore foi o lugar que presenciei as maiores mesquinharias humanas.
Intrigas e fofocas de fazer inveja à revista Contigo ou Caras. Uma banda competindo com a outra, de forma pouco ética, ao ponto ridículo de brigar pra quem tocava primeiro, por medo das pessoas irem embora e é claro, mais gente chamando o bagulho de meu e ditando regras. Nem vou citar nomes pois quem faz coisa errada consciente sabe o que fez. E vejo hoje em dia muita gente reinventando seu passado, contando histórias de pescador pra nova geração, a legião de caolhos em terra de cego. Gente te julgando porquê você come carne de vaca, mas só que esses imbecís tem carro, coisa que prejudica muito mais os animais, as plantas, o ar, etc e etc. Quando a gente é adolescente, tudo bem, a gente tenta, erra aprende. Mas tem gente que tá ficando velha pra certas palhaçadas. Liberdade de expressão, certo? Mas depois não reclamem de serem ridicularizados por ai. Os cosplayers do rock, do hardcore, do punk, vivendo uma realidade paralela. A nossa realidade é tipo a Turma do Gueto, gente como sinistro Jamanta, Meia Bola, Tico e Xarope, Ratinho, Tele Sena e por aí vai. Na boa, tem muita gente que tá nessas de underground, porquê é frustrado, que se pudessem seriam ou o capitão do time de basquete da escola ao a líder de torcida. Que horror! Uma parada que tem origem na negação de futilidades de consumo, do faça você mesmo, do não à vaidade estética, da liberdade de expressão, olha que porcaria que virou. Gente que demora mais que noiva pra ir a um simples show de punk e fica te enchendo a sacola do que é bom e o que não é. Ainda bem que caí fora dessa imundice, pois pra quem curti...

7 comentários:

andré maleronka disse...

fora q o som é uma merda!!! experiências pessoais à parte, a diversidade que rolava no hc nos anos (19)80 até o começo dos 90 já era mesmo, fora gente como the ex e tal, é tudo retrô hj em dia, sem diferenças dos rockabillies e outras paradas reacionárias. fora o discurso moralista de moleque boy com medo do mundo mesmo, o som é pura referência, esquema publicitário: ou bandas tocando rockão 70/80, ou as coplayers mesmo - seja skt rock, hc grind, etc. criatividade, originalidade já eram. um monte de gente fantasiada e sem nada pra dizer, o que é o pior. lamentável, humilhação no rolê, vidinha mais ou menos. mas pra quem é, tá bom né.

Anônimo disse...

essa galeria tá vivendo uma onda revival do revival além de ficar chutando cavalo morto. é parecido com os saudosistas do led, the who, raul, ramones, etc... só que de uma geração mais recente. acho que sempre vai existir pessoas com este comportamento. falando de punk ou hc hoje... pegando o gancho do andré, a parada está voltada totalmente para a ação e pesquisa musical do(s) indivíduo(s) do que para o esteriótipo musical "punk" ou "hc" como o the ex por exemplo. os tempos mudaram, está em constante mudança. se fossemos nos margear pelo aspecto musical deste assunto,qual seria o punk de hj? o que causaria tal impacto? talvez este "barulho e não música" que alguns fazem como merzbow, pansonic, sunn o)), etc... se analizarmos bem, está acontecendo muita coisa mesmo no universo musical porém a maioria da galera está perdendo tempo e se deslumbrando com um lance que já passou a um bom tempo, não acham?

akirarw disse...

É como eu disse sobre quem tá no dito underground por ser frustrado, por não ter sido presenteado genéticamente com o padrão de beleza do mercado, ou outros motivos que estão distantes da contra-cultura. Pessoas que não adimitem que querem fazer parte de um clube, para serem "alguém" e não mais um na multidão. O pessoal do mundo fashion, neste ponto, são mais sinceros, pois assumem o glamour, o fútil e, têm vivedo mais felizes com isso.

Anônimo disse...

pois é... nesse meio do punk retrô só quem tá frustrado é quem viveu reclamando quando era ativo. pq as bandas horríveis da época hj tão tirando uma boa nota em cima da via pavimentada pelos reclamões.

Anônimo disse...

é né.o cara reclama pra caralho mas agora faz blog por que som que é bom nao tem pra mostrar.dexa quieto...

Anônimo disse...

cara, sempre curti um hc, mas com o passar do tempo e a idade avançando meu conceito de musicalidade hj tem mais a ver com o clima, q a música me traz.
realmente, há um americanismo e um anglo-saxonismo forte nessa história de punk, hardcore, révi metal...a europa tá rica, tio sam tá de olho na nossa água......e a maior parte do nosso povo ganha salário de fome......o legal do hc pra mim é a mistura de politizaçao com musica e algumas poucas bandas conseguiram essa proeza........os medos dos trópicos sempre rolou na cabeça dos gringos, vivemos num mundo de fronteiras físicas reais, verdadeiros paredoes aumentando o conceito de fronteira...........sou apenas um fã antigo dessa cena boa do rock......o resto é ação!!!!
** gostei da sua observação!

Anônimo disse...

How do you think credit crunch affected porn?


----------------
kelly divine

 
 
Studio Ghibli Brasil