quinta-feira, março 23, 2006

Fred Frith


Compositor, improvisador e multi-instrumentista. Co-fundador da banda underground inglesa Henry Cow(1968-78), tocou com John Zorn, Bill Laswell, Tom Cora, Zeena Parkins, Bob Ostertag entre muitos outros. São célebres seus registros com os grupos Naked City, Massacre, Art Bears, Skeleton Crew. Mais conhecido como guitarrista de improvisação, também toca outros instrumentos, como baixo, e violino, além de compor peças para o Rova Saxofone Quartet por exemplo. Frith além de todos os predicados como artísta, é muito gente fina, humilde, que dá extrema importância ao público, que para ele, tem participação fundamental na improvisação, mesmo que seja apenas uma pessoa. Muito de sua pessoa e artísta está registrado no premiado filme documentário Steps Across The Border de Nicolas Humbert e Werner Penzel, que inclusive foi exibido na mostra de cinema em São Paulo, poucos anos atrás. Vale a pena entrar em contato com sua música, uma experiencia única e gratificante. Clique no título do post que é um link para o site oficial de Fred Frith.

14 comentários:

Tiago disse...

Acho que talvez o Frith seja o artista que transitou com mais facilidade por todas as áreas da vanguarda popular. Sou suspeito, ele é um dos meus maiores ídolos. Mas não lembro quem tenha gravado com bandas punk, participado da No Wave e tocado no grupo de prog rock mais importante da história ( o Henry Cow) ao mesmo tempo. Fora que ele tocou e toca com Jazzistas sempre que pode e tem aquele espírito da música como convivência e aprendizado permanente dos improvisadores ingleses.

Aliás, gravou uma homenagem ao morton feldman e tocou com uma orquestra de gamlan (precisa dizer mais)
Hoje, acho que ele mora em Oakland, na Califórnia, terra, dos Thinking Fellers Union Local 282. Imagina o que não poderia sair daí?

akirarw disse...

Thinking Fellers? Nossa ô banda esquisita da peia(no bom sentido). Só perde para o Residents na freakagem.
Tiagon, depois da missão Minton, que tal a missão Frith?

Tiago disse...

É uma nobre missão. Se tudo der certo, acho que podemos pensar nisso, seria lindo. Imagina um show dele com o Ensemble Modern?

akirarw disse...

boto fé, vai rolar

guilherme disse...

gostei dos teus textos, malaco.
carlinhos me passou o link do teu blog e talz.

se liga nisso:
http://www.tramavirtual.com.br/artista.jsp?id=24546

carlinhos gaucho disse...

sopra ser eu
hmm
nao escrevi antes pra nao escrever so com sentimento e sim pensando...referente a algo que eu sei falar, taqui e tala
carlinhos,oque aprendeu atocar guitarra pra entrar disse...
olha, realmente , a historia pracada um e de um jeito...naolembro das coisas exatamente desse jeito...
acho importante vc ter documentado isso...senao quem iria faze-lo?antes de reclamar, quandoli a segunda paerte ate dei uma choradinha..a terceira, nao gostei de algumas coisas, que conhecendo vc , me senti um pouco atacado,mas tambemj firmeza... napo viou enbtrar em detalhes.
so quero que saiba que vc foi e esempre sera .independente de tudo umap[essoa muito foda, que me ensinou um pa de coisa....nao diferenciava essas fita de europeu, anmericano...sempre curtia ou nao....vc me mostrou descendents, foda.vo ate ouvir agora pra da uma aliviada/recorada.
se quiserem fazer uma reuniao beleza, alias smepre tive.no remorse

akirarw disse...

Carlos, obrigado por se dar ao trabalho de responder. Quanto a fatos, realmente não vou entrar em detalhes, mais de duas pessoas não "alucinam" a mesma coisa. Todo mundo comentando que vc se prestaría a coments anônimos de baixo nível como os que recebí, que sinceramente me fizeram rolar de rir. A melhor coisa daquela época foi o sentimento mútuo como brincadeira de criança, que amigos se juntam pra construir um castelo, uma pipa ou qualquer sonho onde não há líderes e preocupações externas. Apenas um divertimento compartilhado igualmente.

carlinhos gaucho disse...

nao sei de que [[duas pessoas [[ esta se falando...afginal o blog e so seu.e, falei que isso sao detalhes,quanto a todo mundo eunao sei de quem vc fala.os anonimos tao ai nesse comentario , a meu ver. e, ''duas pessoas''chegam a certas conclusoes certas e erradas sim, se estao em sintiponia, sempre vao concordar pro que lhe convem.mais uma vez digo que foi tudo isso mo legal pra mim.pena ficar com essa cara meio de rancor, seila.uma discussao sem fim.
como te disse da ultima vez que conversamo, ggosto de vc pra caramba, mesmo delonge, mesmo come ssas fitas todas quenos separaram...passei ate o link pra pagina da trama, afinal nao fuio capaz de escrever nada melhor.minha fita e toca, por diversao ate hj, e ganha omeu dinheiro fazendo o que gosto, e muito disso sim aprendi com voce

Anônimo disse...

e sem tira mano,te amo mesmo, como diria o excel
much respect

akirarw disse...

Ok, pra mim sempre tá na boa, vamos encerrar este assunto, pois era pra usar este espaço pra comentar o Fred Frith. Fatos são fatos, nada de achismos, não disse que duas pessoas chegaram a mesma conclusão, mas que 3 ou mais viram a mesma coisa. Rancor? Olha, quem convive comigo de verdade sabe como sou, como consigo sorrir com simples coisas da vida, ou até com mesmo episódio do Chaves na tv. Fique em paz de verdade, pois o mundo tá muito roça pra esse tipo de bobagem

Tiago disse...

Saiu um disco do Fred Frith tocando Christian Wolf e Morton Feldman, você escutou?
abraço

Tiago disse...

Fiquei muito curioso para ouvir esse disco. Apesar do Frith trabalhar com indeterminação, poucos elementos aleatórios entram na música dele. Aqui, parece que ele quis incorporar os métodos de composição dos compositores homenageados,(sobretudo do Cage e do Feldman) deve ser um passo na carreira dele.

Alexandra Santi disse...

Pessoalmente eu discordo da idéia de aleatório no trabalho do Morton Feldman. Basta conhecer a escrita de Feldman para entender que ele pouco tem a ver com o aleatório. Discordo de sua interpretação, embora tenha interesse na interpretação desses compositores por Frith.Acho que esse é um engano comum aos que falta intimidade com a linguagem escrita da música. Preste atenção na escrita dele, os espaços não marcam aleatoridade. Espero ter contribuído.

akirarw disse...

Alexandra e Tiago, obrigado pelas informações.Puxa, qualquer coisa que Frith faça é no mínimo interessante, não? Eu não tive muito acesso à obra de Feldman e parece que agora tem mais coisa disponivel sendo lançada em cd.
http://www.epitonic.com/artists/mortonfeldman.html
http://www.cnvill.demon.co.uk/mfhome.htm

 
 
Studio Ghibli Brasil